AllTalks #70: Web Summit 2019 – Um overview sobre o impacto da tecnologia no desenho de futuros.

AllTalks #70: Web Summit 2019 – Um overview sobre o impacto da tecnologia no desenho de futuros.

Alltalks

Camilo Barros foi o convidado da edição nº70 do AllTalks. No evento, o Head of Partnerships, Latam na VidMob e Sócio e Consultor de inovação do Institute for Tomorrow traçou um panorama geral acerca dos principais assuntos discutidos nos últimos anos no Web Summit, maior conferência da Europa sobre Inovação e Tecnologia.

Entre os destaques do bate-papo, Camilo abordou as principais mudanças que a tecnologia 5G deve trazer ao ambiente digital e falou sobre os desafios diante da implantação da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), que entra em vigor em agosto no Brasil.

SEM BARREIRAS

A chegada do 5G significa uma verdadeira quebra de barreiras no que diz respeito à conexão. E não se trata somente da ampliação do acesso à internet móvel e da velocidade de download e upload de dados.

A tecnologia, muito mais eficiente para lidar simultaneamente com milhares de dispositivos, tornará possível, por exemplo, o funcionamento de veículos autônomos – que até então não estão no mercado justamente por conta das conexões limitadas de 4G e 4,5G.

Esse tipo de transformação mudará nossa percepção sobre a tecnologia para algo que efetivamente poderá viabilizar projetos do futuro. O 5G torna possível a ampliação da Internet das Coisas (IoT) e a criação de novos serviços - muitos deles, inclusive, que sequer previmos.

LGPD – O DESAFIO

         E o que dizer sobre a implantação da LGPD no país? As estatísticas, de acordo com estudos apresentados no Web Summit, não são as mais animadoras. Para se ter uma ideia, 87% do mercado brasileiro não está preparado para lidar com a lei, que entra em vigor em agosto deste ano no Brasil.

         Na prática, a LGPD organiza mais de 40 normas já existentes sobre dados e define questões em relação à captura, processamento e uso de dados de pessoas físicas. O desafio está justamente na forma como as empresas cumprirão a lei. 

“Falar em privacidade em termos totais é praticamente impossível. O que temos que trazer para a discussão é a forma como esses dados são captados, a relação de transparência no uso de tais dados e o quanto o uso deles é revertido para o usuário”.